Razões da Revolução Mexicana

O crescimento do México foi impulsionado no capitalismo agrário, industrial e financeiro ocorrido nas últimas décadas do século XIX (período do governo ditador de Porfírio Diaz).
A questão agrária foi fundamental para a eclosão da Revolução Mexicana. Segundo ALTMANN, a revolução mexicana foi uma revolução do capitalismo em seus moldes clássicos, com seu desenvolvimento a partir do campo. (p.33)
A agricultura tradicional, que interessava à parte mais importante do campesinato, entrou em acentuado declínio. A população indígena foi paulatinamente expulsa de suas terras, houve a formação dos primeiros grandes latifúndios, através a apropriação dos territórios indígenas e das terras da Igreja. De 1889 a 1893 mais de 10 milhões de hectares passaram das comunidades indígenas às mãos dos latifundiários. Simultaneamente, houve o aumento da pupulação proletarizada no campo, que se tornou proporcionalmente maior em relação à população total.
O empobrecimento desta população agrária (maioria) e a falta de perspectivas para a sustentação de um desenvolvimento da economia industrial fomentou movimentos revolucionários, fundamentados na luta pela terra com a bandeira da reforma agrária.
A revolução foi palco de reinvindicações de direitos que a população rural sentia usurpados. Foi motivada pelo desejo de reconquistar o passado e torna-lo vivo no presente.
Vários focos revolucionários se formaram no interior do México, estourando em fins de 1910 a Revolução Mexicana.
Barbara Lucas - 2008/02